Estudo do Outono – Parte 4

 

As Práticas da Jornada

 

Entrando no Silêncio

Tem um nível de compreensão que pode melhor ser compreendida e apreciada somente no silêncio. O silêncio permite que o corpo, o cérebro e a alma reabasteçam-se enquanto em estado alterado de consciência. O repouso permite que você transcenda a realidade, quando as pessoas e os lugares estranhos e ansiedades provocadas invadirem seu espaço silencioso.
Se pudermos travar as nossas mentes e incorporar mais silêncio na vida diária, talvez nós podemos viver nossas vidas com mais significado e intensidade.
Dentro de cada um de nós estão um Eu mais elevado, a testemunha ou o observador, espreitador. Ficar no silêncio, sozinho ou com outro, traz a paz da mente, da conexão do espírito, das respostas a perguntas.

Nós somos bombardeados, em nossa cultura, a responder os meios de comunicação dos telefones, das reuniões, das pessoas, etc. Nosso ambiente familiar e de trabalho é cercado de ruídos. É quase impossível ficar em silêncio ao lado de outras pessoas. Nós temos a necessidade de nos comunicar. Não existe silêncio total, é desse silêncio que falo. Nós ouvimos, ao menos, o som de nossa respiração.
Geralmente sentimos os efeitos benéficos do silêncio, quando estamos sós com televisores e rádios desligados, sem ouvir barulhos de carros, quando fazemos uma caminhada na natureza.

A experiência do sono profundo prova nossa necessidade para o silêncio. Nós podemos ser muito ocupados durante todo o dia, mas na noite nós sentimos   essa hora em que tudo — nossas percepções do sentido, responsabilidades, pensamentos, se preocupam, emoções, desejos, esperanças — é deixado atrás. Que é sono? Não é silêncio? No sono nada perturba-nos. Mesmo que nós deixemos tudo atrás, incluindo a consciência do corpo, nós apreciamos a experiência.
Entretanto, o sono não é vazio. O Criador combinou o ruído e o silêncio, a atividade e o descanso; é a planta da natureza. Imagine a totalidade dos sons que emergem deste planeta, da soma de todos os ruídos produzidos cada minuto por milhões e de milhões de seres humanos e de todos tipos restantes de criaturas e de máquinas vivas, assim como vários fenômenos naturais. Pense então num ruído similar conectado com cada outro corpo celestial.

Se nós adicionarmos agora todos estes ruídos juntos, nós podemos imaginar o que uma quantidade enorme do som este universo cósmico pode produzir.
Mas se por alguns períodos você puder produzir menos som, isso terá um efeito notável na mente. Mais importante do que silencie para fora é silêncio interno, e isso não está assim facilmente disponível a nós. Para silenciarmos para fora, é necessário silenciarmos dentro de nós. Não são todos os sons do silêncio que estarrecem. Permita ouvir os sons dos ventos, dos pássaros, do animais que passam, do murmúrio das árvores, dos seres-espíritos, do Grande Mistério, tornando-se mais espreitador.

Quando o silêncio pede uma pergunta e resposta, elas são mais poderosas, porque começam e terminam sua viagem no coração .No coração, a espontaneidade reina. Se você lhe perguntar: “o que é silêncio?” verá que a resposta é “O Grande Mistério” “O silêncio será é sua voz!” Se você pedir: “o que são as frutos do silêncio?” ouvirá “é o autocontrole, resistência verdadeira, paciência, dignidade e reverencia.

 

Rito de Recolhimento

Uma cerimônia para implorar por uma visão, num lugar bem recolhido nas matas do Céu da Lua Cheia, ao encontro dos antepassados, e de si mesmo. Uma busca que possa trazer a compreensão de como utilizar melhor a própria energia, corrigir atitudes, ter um direcionamento para a existência. Receber uma visão do Grande Espírito, tendo instruções do Mistério ao qual somos parte, a importância da missão para assumir as responsabilidades dela.

Diante da natureza, criando seu Espaço Sagrado, onde possa sentir a respiração do grande Espírito, que a tudo permeia, e fazer um compromisso com a sua missão na Terra, com seu trabalho espiritual e material. Comprometer-se com os ensinamentos do Espírito. Entregar o silêncio para que o ensinamento chegue até o seu interior.

A Direção Oeste da Roda, período de Outono, é o local para escutar. Nossos antepassados sabiam da importância da observação, a arte da espreita. Retornar à natureza para conectar com o espírito e para procurar respostas aos problemas da terceira dimensão. Na mata sentir, mais de perto, os 4 elementos, a Fonte da Criação, procurar por verdades que poucos sabem : Quem eu sou ? Por que estou aqui? Qual é o meu papel?

Na introspecção permite-se que a alma se mova além das ilusões, do Eu Inferior, e incorpore-se ao Todo. Um momento de solidão onde se procura a revelação interna, uma visão que conceda o significado e um sentido mais profundo para a vida. Conduz à maturidade e a uma compreensão de nossa responsabilidade para conosco, com a sociedade, nosso ambiente natural e a nossa alma.

Embora práticas semelhantes, são associadas da visão com as tradições nativas norte-americanas, elas são praticadas todo o mundo. Pode ser horas, um dia, uma semana, um mês, o que for necessário para terminar a transformação e para começar uma procura.

Há casos em que o exame é feito fora de seu corpo e confrontado pelos aspectos angélicos e sombrios dos próprios medos. Então, é dado uma visão que ajude a alma a se mover em seu espaço espiritual.

Enfrentar seus medos quando confrontado com a vida diária e viver em seus compromissos são o material de que as histórias são escritas e ditas. Cercar-se com uma comunidade de suporte e não julgamento é essencial. “Quem é sua comunidade?” é uma pergunta que você necessitará pedir e procurar uma resposta.

Quem escutará sem julgamento suas intenções e lhe orientará?

Você pode retornar às expectativas velhas, à resistência ao novo e a sua visão para si mesmo. Como você será? Onde você encontrará a força interna para continuar apesar dos desafios? A chamada para levar adiante suas forças internas impulsionará seu potencial .

 

Voz Interior

Um trabalho fundamental que faremos na Jornada do Outono – O Voo da Águia III, é ” *Buscar a Nossa Voz Interior* “, para atingir o chamado da alma. Esse é um dos ensinamentos da Direção Oeste da Roda Medicinal, quando na profunda caverna do Urso digerimos nossos pensamentos, e recarregamos a nossa energia.

O chamado de nossa alma é a nossa “MISSÃO”. Para podermos atender esse chamado, é preciso ter coragem e autoestima.

Atender o “Chamado da Alma” é o único modo de viver a vida na plenitude. Obtermos a certeza de que temos uma missão individual para cumprir.

É na “Caverna do Urso”, na introspecção do nosso espaço interior que vamos buscar por respostas e o mapa do caminho. Seguir a “voz interior” é a fonte derradeira de nossa busca para obter respostas.
Nós viemos para este mundo munidos com as ferramentas necessárias para viver nossa missão, e assim chegar à realização. Indícios nas nossas emoções, indicam quando não estamos no caminho : insucesso profissional, vícios, relacionamentos insatisfatórios, depressões, doenças, etc.

Realizar a missão, o propósito da alma, é de vital importância para a evolução do ser. Para isso temos que aprender a tomarmos conta de nós mesmos. Não há substitutos para seguirem o caminho por nós. A missão representa a essência daquilo que somos.

Nós validamos a missão, quando ela expressa talentos ou dons, ou causas que nos são mais caras. Ela reflete a intenção da alma. O mundo pode se beneficiar com ela.

 

O QUE É UMA MISSÃO ?

É o propósito que o atrai para o seu futuro. Ela unifica suas crenças, e a noção de quem você é.

Quando você vive sua missão, você fica entusiasmado. As pessoas quando estão envolvidas com uma missão, concentram-se em desenvolver habilidades. Buscam realizar incansavelmente essa missão com todo o vigor, que criam um poder. E fazem isto dia por dia.

O descontentamento de tanta gente com seu trabalho os leva a uma vida dividida. A missão é um motivo profundo para estarmos vivos. Pergunte a si mesmo se tem um emprego, ou está realizando um sonho.

Uma missão não é algo que se force a fazer, ou são criadas a partir de suas preocupações atuais. É algo profundo que só pode ser descoberto interiormente. Ao descobrir sua missão você pode ter a certeza de que as metas buscadas são suas.

A lição fundamental :

Faça o que gosta de fazer

As vezes as pessoas não acreditam que possam ser pagas para fazerem aquilo que elas gostam. O fato pode ser simplesmente : não sabem como fazer isto !

Você possui uma combinação única de desejos, interesses, habilidades desenvolvidas, e também vastos talentos por serem desenvolvidos. Você descobrindo a sua missão, e vivendo-a ela unificará seus interesses , ao mesmo tempo em que se desenvolve.

Na Jornada de Transformação do Outono, os participantes farão a Criação do Espaço Sagrado na Mata com os saquinhos de oração e o Rito de Recolhimento no Espaço Sagrado – Busca da Visão – (Ayahuasca – opcional) , que chamo de : * “Entrar na Caverna do Urso” *

Uma cerimônia para implorar por uma visão, num lugar bem recolhido nas matas do Céu da Lua Cheia, ao encontro dos antepassados, e de si mesmo. Uma busca que possa trazer a compreensão de como utilizar melhor a própria energia, corrigir atitudes, ter um direcionamento para a existência. Receber uma visão do Grande Espírito, tendo instruções do Mistério ao qual somos parte, a importância da missão para assumir as responsabilidades dela.

Diante da natureza, criando seu Espaço Sagrado, onde possa sentir a respiração do grande Espírito, que a tudo permeia, e fazer um compromisso com a sua missão na Terra, com seu trabalho espiritual e material. Comprometer-se com os ensinamentos do Espírito. Entregar o silêncio para que o ensinamento chegue até o seu interior.

A Direção Oeste da Roda, período de Outono, é o local para escutar. Nossos antepassados sabiam da importância da observação, a arte da espreita. Retornar à natureza para conectar com o espírito e para procurar respostas aos problemas da terceira dimensão. Na mata sentir, mais de perto, os 4 elementos, a Fonte da Criação, procurar por verdades que poucos sabem : Quem eu sou ? Por que estou aqui? Qual é o meu papel?

Na introspecção permite-se que a alma se mova além das ilusões, do Eu Inferior, e incorpore-se ao Todo. Um momento de solidão onde se procura a revelação interna, uma visão que conceda o significado e um sentido mais profundo para a vida. Conduz à maturidade e a uma compreensão de nossa responsabilidade para conosco, com a sociedade, nosso ambiente natural e a nossa alma.

Embora práticas semelhantes, são associadas da visão com as tradições nativas norte-americanas, elas são praticadas todo o mundo. Pode ser horas, um dia, uma semana, um mês, o que for necessário para terminar a transformação e para começar uma procura.

Há casos em que o exame é feito fora de seu corpo e confrontado pelos aspectos angélicos e sombrios dos próprios medos. Então, é dado uma visão que ajude a alma a se mover em seu espaço espiritual.

Enfrentar seus medos quando confrontado com a vida diária e viver em seus compromissos são o material de que as histórias são escritas e ditas. Cercar-se com uma comunidade de suporte e não julgamento é essencial. “Quem é sua comunidade?” é uma pergunta que você necessitará pedir e procurar uma resposta.

Quem escutará sem julgamento suas intenções e lhe orientará?

Você pode retornar às expectativas velhas, à resistência ao novo e a sua visão para si mesmo. Como você será? Onde você encontrará a força interna para continuar apesar dos desafios? A chamada para levar adiante suas forças internas impulsionará seu potencial .

 

Os Ancestrais

Continuando o detalhamento de alguns ritos e cerimônias que acontecerão na Cerimônia de Outono, a ser realizada no Sitio Lua Cheia, teremos um momento para reverenciar os nossos ancestrais, pois o Oeste é o “lugar de morrer para renascer”, quando no outono, as folhas secam e caem.

Ancestrais que nos deram a vida, de um ventre ao outro, de mão em mão, de sopro em sopro sagrado, no entremear-se das almas através dos milênios sobre esta Terra. Os ancestrais são nossos predecessores e nossas próprias vidas passadas, e estão presentes dentro de nós em nossos genes, em nossas células.

Portanto, as células de nosso corpo contém ecos de nossa família, e influenciam na forma de percebermos a realidade.

A conexão com nosso passado, com aqueles que vieram antes de nós, nos ajuda a encontrar força e sabedoria para caminhar no futuro. Nós somos os resultado de milhares de pessoas, que viveram, aprenderam, criaram, ensinaram.

Eles tornaram possível nossa realidade, errando ou acertando. Eles honravam os que já passavam por nossa Terra. O que eles fizeram no passado impactam as gerações presentes.

A reconexão com os ancestrais ajuda a compreendermos quem nós somos e da onde viemos. Precisamos inventariar o que nos foi deixado de negativo para não repassarmos para as gerações futuras. Precisamos curar a ferida do nosso passado para reestruturarmos o nosso presente e assim termos mais esperanças no futuro. Assim como precisamos conhecer e honrar o que nossos ancestrais nos deixaram.

A conexão com os ancestrais nos fornecem um sentido de continuidade que nos ajuda em momentos difíceis. Eles influenciaram nossa aparência física, nosso comportamento atual, nosso inconsciente, nossa energia.

Influenciaram nossas escolhas, medos, sonhos, impulsos. Também a nossa etnia, nossas crenças e inspirações.

Para honrar nossos ancestrais precisamos perdoá-los, pois esse ato de perdão, ajuda a curar as energias ancestrais negativas, nossa herança negativa. (culpa, ódio, rejeição, raiva, negação, etc.) . Senão conseguir perdoar o ato, perdoe a pessoa, isso ajuda a liberar o padrão familiar negativo.

No tempo, com objetos que lembram nossos ancestrais, iremos reverenciar a nossa linhagem na paz e na harmonia, onde que eles estejam.