O QUE É A RODA MEDICINAL?


Roda Medicinal Voo da Águia

 A Roda Medicinal é uma Jornada da Consciência, que pode nos conduzir com mais clareza dentro das energias criadoras da vida, que movimentam a nossa existência. Ela traz a compreensão dos relacionamentos, mostrando as conexões entre os acontecimentos importantes de nossa vida dos ciclos pessoais e espirituais para o nosso autoconhecimento e equilíbrio.

A Roda que trabalhamos deriva de milhares de rodas medicinais existentes no mundo. Essas rodas serviam a múltiplas finalidades: laboratórios astronômicos, espaços de meditação, de cura, de rezas, centros cerimonias, pontos de fortalecimento de ligação entre o homem e a natureza e toda a Criação, como uma mandala de cura e proteção, pontos de transformações e início de mudanças na vida, expansão da consciência.

Um sonho, acontecimentos, fases desafiantes da vida, podem dar pistas do lugar onde as pessoas se encontram na Roda e do caminho que deverá trilhar e das habilidades necessárias para serem adquiridas no presente.

A Roda medicinal simboliza todos os ciclos da vida, inícios e términos, germinações e colheitas, decomposição e renovação, nascimento e crescimento, crescimento e morte, morte e decomposição, decomposição e renovação, renovação e germinação, nascimento e fertilização, fertilização e crescimento, que constituem cami­nhos sagrados que nos levam a novos en­tendimentos do nosso padrão evolutivo e ainda resgata a memória da nossa ligação com todos os aspectos do universo, o respeito ancestral a todos os seres (mine­ral, vegetal, animal, espiritual) com todas as relações. E cada posição sua repercute em algum ponto da nossa existência.

É uma adaptação das Rodas Medicinais dos nativos norte-americanos, a  Roda da Vida do Xamanismo Celta, mas podemos enxergar nelas os trigramas chineses, Iching, as runas, cartas de tarot, o Calendário Sagrado das Estações, os Arcanjos, as emoções, alimentos, adaptadas dentro das realidades ecológicas dos respectivos Hemisférios – Norte e Sul, ou seja ela é um Mapa do Universo.

É composta por 36 posições, representadas por pedras alinhadas de forma circular :


A primeira pedra, bem no centro (de onde emana toda a vida), representa o Criador. Pode ser uma pedra ou algum objeto que emane poder, justamente por ter um sentido especial para a pessoa (anel, medalha), ou pode ser um espaço vazio, pois o Criador é tudo ou nada a um só tempo. A pedra do Criador ensina sobre a nossa habilidade para criar, sobre a nossa fé, nosso sentido de sagrado e aptidões,  para nos desenvolvermos e sermos completos.

Em torno do Criador forma-se o círculo central constituído por sete pedras, simbolizando a fundação dos blocos de toda a vida. Sempre no sentido anti-horário no Hemisfério Sul e horário para o Hemisfério Norte.

Na direção do quadrante inferior, do lado esquerdo, a pedra da Mãe Terra, que nos dá nosso lar com nossas vidas. Representa o amor e os novos começos para a Mãe Terra, e nos ensina a nutrição da energia feminina em nós e sobre a Terra. Você pode procurar esta pedra quando precisar de soluções para os problemas ecológicos, para enfrentar questões de infertilidade, se estiver em vias de tonar-se pai/mãe ou para ser mais amoroso com seus filhos.

Ao lado, à direita da Mãe Terra está a terceira pedra: Pai Sol. Associada ao crescimento e a claridade. E onde nós podemos obter mais energia para expandir nossa vida. Ela nos dá o conhecimento sobre a energia masculina, nos ensina sobre a discriminação e a habilidade curativa. Sobre a realização dos nossos pensamentos e a aquisição de coragem.

A quarta pedra é a da Avó Lua, guia dos nossos sonhos e visões. Ela nos ajuda a incrementar a nossa intuição e capacidades psíquicas, nos ensina sobre a nossa sensualidade e sexualidade, sobre o nosso lado emocional, levando-nos a entender as nossas emoções profundas, a face sombria do nosso ser.

As quatro pedras restantes do círculo central da roda medicinal correspondem aos quatro elementos (terra, água, fogo e ar) e compõem os clãs elementais, que nos per­mitem receber poderes dos espíritos e co­locá-los à disposição da comunidade (povo).

A pedra do Clã da Tartaruga equivale ao elemento terra. É o clã mais denso, estável e lento, caracterizando pessoas práticas, realistas, perseverantes, com discernimento em suas opiniões. Esta pedra é ideal para as pessoas que se sentem fora do chão.

A pedra do Clã do Sapo responde pelo elemento água, tem poderes de limpeza e transformação, indica mudanças lentas, porém firmes. Nesta posição, você pode aprender sobre sua própria fluidez, sobre sua capacidade de mudar constantemente e deixar seu coração comandar sua cabeça. Também lhe ensina a limpar certos resíduos (mágoas, ressentimentos, culpas) acumula­dos no seu ser, bem como a dar importância à limpeza da Terra.

Pessoas do Clã do Sapo tocam com desenvoltura as emoções dos outros. Esta pedra ajuda no trato e na cura das próprias emoções, principalmente bloqueios, e traz a consciência sobre nos­sas habilidades psíquicas e intuitivas.

A sexta pedra é do Clã do Pássaro Trovão regido pelo fogo. Vitalidade e transformação são suas idéias-chave. O Pássaro Trovão traz dádivas como o magnetismo, carisma, coragem, o otimismo. Seus poderes relacionam-se com a inovação, a paixão, a transmutação. Entretanto, pessoas deste clã devem aprender a temperar a sua intensidade para evitar possíveis doenças. De fato, o fogo tanto pode trazer calor à vida como a destruição.

Este primeiro círculo fecha-se com a oitava pedra do Clã da Borboleta. Associada ao elemento ar, este clã reúne pessoas ágeis, rápidas, energéticas, espalhafatosas, exóticas, idealistas e visionárias. O senso de discriminação é uma das principais lições da Borboleta, cuja posição pode lhe ensinar sobre suas reais necessidades e capacidades de mudança. É a pedra de quem está precisando tornar-se mais articulado, mais criativo, etérico ou inovador, de quem quer aprender mais sobre o próprio intelecto ou deseja atrair transformações para sua vida. Pode mostrar-lhe a maneira de sintetizar os seus conhecimentos adquiridos.

Acompanhando a sequência das pedras, o próximo passo é colocar as quatro pedras âncora do círculo externo da roda medicinal, que se alinham com os pontos cardeais e seus respectivos espíritos guardiões, representados por animais. No topo da roda está a Direção SUL (no Hemisfério Sul), a morada do Búfalo: tem relações com o inverno, a cor branca e o elemento ar. Suas propriedades são: beleza, alinhamento, ressonância harmônica, conhecimento, sabedoria, imaginação ilimitada. Lugar do intelecto, dos seres animais, dos sábios e dos anciãos. A mensagem da Direção Sul avisa que “algum tipo de sabedoria chegará para quem está consultando”. A sabedoria é um caminho em que podemos experimentar a ordem natural do universo e aplicá-la a nossa vida. O conhecimento é a verdade sendo experimentada em nossa vida. Nesta direção, temos de aprender a lição e descobrir a origem do senso de si mesmo. O total sucesso dessa lição deve ser acompanhado de orações de agradecimento ou contentamento.

Lembre-se de que o presente da sabedoria está no coração e permanece vivo tanto quanto é honrado e abençoado.

A pedra da direção Leste é guardada pelo espí­rito guardião da Águia Dourada e está relacionada com a primavera, a cor amarela e o elemento fogo. Suas propriedades são: local de iluminação e do nascer do Sol, luz espiritual, masculino elevado, inspiração, criatividade, visão, consciência elevada.

A mensagem do Leste fala da “necessidade de claridade em alguma parte da nossa vida. Em caso de confusão, este é o momento de colocar a vida cm ordem. Também podemos estar sendo convocados a ajudar outros a encontrar a claridade. Ser criativo e ousado é a ordem para trilharmos o nosso conceito de quem realmente somos aventurando-nos em novos entendimentos. O Leste assinala um tempo de nova liberdade. Por isso devemos observar os pensamentos que nos cegam, limpar a nossa cegueira e enxergar com olhos de águia”.

A pedra da direção Norte é onde se senta o Coiote, associa-se com o verão, a cor vermelha e o elemento água. São suas propriedades a confiança, a inocência, a fé, a humildade; é o lugar das emoções, das crianças e das plantas, de permanecer dentro, da essência e de deixar fluir, de não se apropriar das emoções. A mensagem do Norte “marca um tempo de retomo à infância, a necessidade de livrar-se do ego”. É preciso eliminar o nervosismo antes de se iluminar. Exercícios físicos acalmam os músculos e recuperam a confiança. A direção nos mostra alguma forma de conduzir a situação. Note “que quanto mais sério é o jogador, menores são suas chances de vencer”. O equilíbrio da Sagrada irreverência.

Por fim, a pedra da direção Oeste está representada pela Ursa Parda e corresponde ao outono, a cor preta e ao elemento terra. Suas propriedades são: introspecção, intuição, útero da mãe, mundo subterrâneo, corpo da Mãe Terra, escuridão, feminino profundo, morte. A mensagem do Oeste “fala dos talentos que possuímos para chegar às nossas metas. É o conhecimento de nossas pró­prias forças e o poder para achar e descobrir nossas próprias respostas. Se nos esquecemos de ficar cm silêncio, (caverna da Ursa) as opiniões alheias misturam-se com nossas dúvidas e criam limitações”.

As 12 pedras vistas ate aqui geram todas as 24 posições restantes da roda. Ainda no circulo externo, encontraremos as pedras correspondentes às 12 Luas, que dividem o ano a maneira das 12 constelações do zodíaco. Essas Luas nos ensinam sobre as estações, sobre cada hora do dia e da vida, sobre cada mineral, planta, animal, elementais, espíritos guardiões e nos informam inclusive sobre os tipos humanos nascidos nos seus períodos de influência.

Vejamos uma síntese do seu funcionamento. Começando no lado esquerdo do ponto Sul (para o Hemisfério Sul) sentido anti-horário:

Começamos com a Lua do Inverno de 21/06 a 21/7. Seu animal é o Ganso Polar. Ela lhe ensina a ser claro, adaptável, fluente, prudente e sábio.

A Lua da Germinação, de 22/7 a 22/08, tem por animal a Lontra. Ajuda a desenvolver habilidades físicas, a descobrir talentos, a ter coragem, a ser humanitário e a cultivar a sua face suave e gentil.

A Lua dos Grandes Ventos, de 23/08 a 22/9, tem por animal o Puma. Ensina sobre a sua sensitividade, seu anseio por espiritualidade, sua hesitação em expressar sentimentos, sua necessidade de pisar na Terra.

A Lua da Primavera de 23/9 a 22/10, tem por animal o Falcão Vermelho. Ensina sobre a energia, a intensidade, a catalisação de mudanças, a audácia e o otimismo.

A Lua da Fertilização, de 23/10 a 21/11, tem por animal o Castor. Ensina sobre a perseverança, a paciência e a praticabilidade.

A Lua do Florescimento, de 22/11 a 21/12 tem por animal o Cervo. Ensina sobre a própria beleza, a beleza dos outros e do meio ambiente, sobre suas próprias habilidades curativas.

A Lua do Verão de 22/12 a 19/01. Tem por animal o Pica-Pau. Ensina sobre a lei dos relacionamentos, sobre a família maternal e a nutrição, sobre a importância das emoções.

A Lua da Primeira Colheita de 20/01 a 18/02. Tem por animal o Esturjão. Ensina a trabalhar com o centro do coração, a demonstrar afeição, a encarar temores, a desenvolver a capacidade de liderança.

A Lua Brilhante de 19/02 a 20/03. Tem por animal o Urso Marrom. Ensina imparcialidade, decisões justas, bom senso, perseverança, confiança e habilidade para analisar.

A Lua do Outono, de 21/03 a 19/04. Tem por animal o Corvo. Ensina como mostrar afeição física e como ser confortável na Terra e no Céu. Dá entendimento dos seus relacionamentos com grupos.

A Lua da Ultima Colheita, de 20/04 a 20/05. Tem por animal a Cobra. Ensina sobre a extensão da sua própria energia, sobre sua habilidade para criar mudanças, sobre a curiosidade e desejo de verdade.

A Lua das Noites Longas de 21/05 a 20/06. Tem por animal o Alce. Ensina a força mental, os relacionamentos, os ensi­namentos, a comunicação.

Agora só faltam os quatro caminhos, espirituais de cada quadrante para completar toda a Roda Medicinal. São os caminhos formados por cada carreira de três pedras que partem dos quatro pontos cardeais, dos espíritos guardiões, em direção ao centro do círculo. São as qualidades/virtudes que devemos desenvolver para retomarmos ao Centro da Vida, ao Criador. São elas:

  • Ca­minho Espiritual do Sul: Limpeza, Renovação e Pureza.
  • Caminho Espiritual do Leste: Clareza, Sabedoria e Iluminação.
  • Caminho Espiritual do Norte: Crescimento, Confiança/Fé e Amor.
  • Caminho Espiritual do Oeste: Experiência. Introspecção e Força

Agora você já pode ir pensando em vivenciar a roda medicinal e experimentar por si mesmo essas energias altamente vivas, palpitantes no inconsciente coletivo. Observe sempre de não ficar por tempo demais numa única posição, pois não se deve interromper a dinâmica dos ciclos que são as lições da vida. A Roda não pode parar na sua existência terrena. Do contrário, se pega o ne­gativo da posição, a sombra.

Comece estudando cada uma das pedras, sentindo como estas forças o afetam. Com base na roda abaixo, faça sua própria roda obedecendo a sequência numerada das pedras direcionando os mar­cos dos pontos cardeais com o auxílio de uma bússola, se quiser, use pequenas pontas de cris­tal de quartzo.

No centro, local do Criador, coloque um objeto muito significativo ou deixe vazio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *