Outono – Entrando no Silêncio

Entrando na Caverna do Urso

Tem um nível de compreensão que pode melhor ser compreendida e apreciada somente no silêncio. O silêncio permite que o corpo, o cérebro e a alma reabasteçam-se enquanto em estado alterado de consciência. É muito importante nas cerimônias com plantas de poder, por exemplo, termos um espaço e aprendermos a entrar no silêncio, a sentir a força no silêncio, sem falar, sem cantar, sem produzir ruídos, aquietar a ansiedade no silêncio para podermos ter um relacionamento direto com os sacramentos, guianças e insights que eles proporcionam e entrar nas mirações com o mínimo de interferências externas.

As Direções Oeste e Sudoeste da Roda, período de Outono e Última Colheita, são momentos para escutar. Nossos antepassados sabiam da importância da observação, a arte da espreita. Retornar à natureza para conectar com o espírito e para procurar respostas aos problemas da terceira dimensão. Sentir os 4 elementos, a Fonte da Criação, procurar por verdades que poucos sabem: Quem eu sou? Por que estou aqui? Qual é o meu papel?

Na introspecção permite-se que a alma se mova além das ilusões, do Eu Inferior, e incorpore-se ao Todo. Um momento de solidão onde se procura a revelação interna, uma visão que conceda o significado e um sentido mais profundo para a vida. Conduz à maturidade e à uma compreensão de nossa responsabilidade para conosco, com a sociedade, nosso ambiente natural e a nossa alma.

O repouso permite que você transcenda a realidade quando as pessoas e os lugares estranhos e ansiedades provocadas invadirem seu espaço silencioso. Se pudermos travar as nossas mentes e incorporar mais silêncio na vida diária, talvez nós pudéssemos viver nossas vidas com mais significado e intensidade. Dentro de cada um de nós está um Eu mais elevado, a testemunha ou o observador, espreitador. Ficar no silêncio, sozinho ou com outro, traz a paz da mente, da conexão do espírito, das respostas à perguntas.

Nós somos bombardeados, em nossa cultura, a responder os meios de comunicação dos telefones, das reuniões, das pessoas, etc. Nosso ambiente familiar e de trabalho é cercado de ruídos. É quase impossível ficar em silêncio ao lado de outras pessoas. Nós temos a necessidade de nos comunicar. Não existe silêncio total, é desse silêncio que falo. Nós ouvimos, ao menos, o som de nossa respiração.
Geralmente sentimos os efeitos benéficos do silêncio, quando estamos sós com televisores e rádios desligados, sem ouvir barulhos de carros, quando fazemos uma caminhada na natureza.

A experiência do sono profundo prova nossa necessidade para o silêncio. Nós podemos ser muito ocupados durante todo o dia, mas na noite nós sentimos essa hora em que tudo – nossas percepções do sentido, responsabilidades, pensamentos, preocupações, emoções, desejos, esperanças – são deixados para traz. Que é sono? Não é silêncio? No sono nada perturba-nos. Mesmo que nós deixemos tudo para traz, incluindo a consciência do corpo, nós apreciamos a experiência.

Entretanto, o sono não é vazio. O Criador combinou o ruído e o silêncio, a atividade e o descanso; é a planta da natureza. Imagine a totalidade dos sons que emergem deste planeta, da soma de todos os ruídos produzidos cada minuto por milhões e de milhões de seres humanos e de todos os tipos restantes de criaturas e de máquinas vivas, assim como vários fenômenos naturais. Pense então num ruído similar conectado com cada outro corpo celestial. Se nós adicionarmos agora todos estes ruídos juntos, nós podemos imaginar o que uma quantidade enorme do som este universo cósmico pode produzir.

Mas se por alguns períodos você puder produzir menos som, isso terá um efeito notável na mente. Mais importante do que silêncio para fora é silêncio interno, e isso não está assim facilmente disponível à nós. Para silenciarmos para fora, é necessário silenciarmos dentro de nós. Não são todos os sons do silêncio que estarrecem. Permita ouvir os sons dos ventos, dos pássaros, do animais que passam do murmúrio das árvores, dos seres-espíritos, do Grande Mistério, tornando-se mais espreitador.

Quando o silêncio pede uma pergunta e resposta, elas são mais poderosas, porque começam e terminam sua viagem no coração. No coração, a espontaneidade reina. Se você lhe perguntar: “o que é silêncio?” verá que a resposta é “O Grande Mistério”, “O silêncio é sua voz!”. Se você pedir: “o que são os frutos do silêncio?” ouvirá “é o auto-controle, resistência verdadeira, paciência, dignidade e reverência”.

Diante da natureza, criando seu Espaço Sagrado, onde possa sentir a respiração do grande Espírito, que a tudo permeia, e fazer um compromisso com a sua missão na Terra, com seu trabalho espiritual e material. Comprometer-se com os ensinamentos do Espírito. Entregar o silêncio para que o ensinamento chegue até o seu interior.

Muitas práticas semelhantes, são associadas com a “Busca da Visão” das tradições nativas norte-americanas; elas são praticadas em todo o mundo. Pode ser horas, um dia, uma semana, um mês, o que for necessário para terminar a transformação e para começar uma procura.

Há casos em que o exame é feito fora de seu corpo e confrontado pelos aspectos angélicos e sombrios dos próprios medos. Então, é dado uma visão que ajude a alma a se mover em seu espaço espiritual. Enfrentar seus medos quando confrontado com a vida diária e viver em seus compromissos é o material de que as histórias são escritas e ditas. Cercar-se com uma comunidade de suporte e não julgamento é essencial. “Quem é sua comunidade?” é uma pergunta que você necessitará pedir e procurar uma resposta.

Quem escutará sem julgamento suas intenções e lhe orientará?

Você pode retornar às expectativas velhas, à resistência ao novo e a sua visão para si mesmo. Como você será? Onde você encontrará a força interna para continuar apesar dos desafios? A chamada para levar adiante suas forças internas impulsionará seu potencial.

É na “Caverna do Urso”, na introspecção do nosso espaço interior que vamos buscar por respostas e o mapa do caminho. Seguir a “voz interior” é a fonte derradeira de nossa busca para obter respostas.

Por Todas As Nossas Relações!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *