Superação

 

Parte de um texto de *Sun Bear*, médico-chefe da Bear Tribe Medicine Society – Washington, escreveu junto com Wabun o livro “Medicine Wheel – A Roda Medicinal :


“Proponho a discutir aqui dois dos principais fatores envolvidos na cura : a superação de entraves negativos e o desenvolvimento de atitudes positivas, de afirmação da vida. De um ponto de vista espiritual, os bloqueios mais comuns são as atitudes e emoções negativas carregadas incessantemente por muitos. Para que se instaure uma cura, é preciso que esses bloqueios sejam vencidos. Ao trabalhar com pessoas portadoras de câncer e outras enfermidades graves, percebo que a menos que elas consigam aprender a abdicar de sua negatividade, a doença acaba voltando.

Para ser totalmente curada, a pessoa deve se livrar do ódio, da inveja, do ciúme e das outras atitudes e sentimentos nocivos. embora tenham origem na mente esses fatores não tardam a manifestar-se no corpo, transformando-se num ombro enrijecido, num fígado preguiçoso, num câncer ou outras enfermidades. Acredito que toda a cura genuína está voltada para o problema do desbloqueio de negatividades, de uma maneira ou de outra.

Um dos métodos adotados por mim com êxito é fazer que as pessoas saiam ao ar livre, encontrem um lugar no solo e cavem um buraco. Em seguida, elas enumeram, dirigindo a voz para dentro do buraco, tudo o que as incomoda na sua vida. Tudo é despejado dentro do buraco. assim, elas depositam sua negatividade na terra.

Uma vez eliminadas as atitudes e emoções negativas, cumpre substituí-las por qualidades positivas. Se um agente de cura é capaz de criar em alguém um sentimento de bem estar, de que “a vida é boa para mim apesar de tudo”, esse alguém pode estar no caminho da recuperação.

Obviamente, é muito importante que o paciente queira ficar bem. Um forte anseio de curar-se constitui um fator crucial no processo de cura. Um dos melhores motivos para querer melhorar é o desejo de prosseguir usufruindo a vida.. assim, conseguindo que as pessoas se sintam no direito de ser felizes, sintam que mereçam ser felizes e que já estão, na verdade, usufruindo de uma vida venturosa, tem-se uma das mais poderosas motivações para a cura.

Isso explica o fato, por mim observado ao longo dos anos, de que as pessoas felizes adoecem, menos que as tristes. Na verdade, as pessoas que se tornam deprimidas e desencorajadas pelos problemas da vida já estão meio doentes em termos de atitude. quando o agente de cura é capaz de libertar pessoas desses padrões de pensamento e consegue que elas passem a usufruir da vida, um grande passo já foi dado em direção à saúde.

Isso significa que o agente de cura deve, em certo sentido, ser um modelo para aqueles que ele está tentando ajudar. Um agente de cura tristonho, negativo ou desesperançado é, ao meu ver, uma contradição em termos. o desenvolvimento de atitudes positivas no paciente pode também ser facilitado pela atmosfera de um grupo que dê apoio. Uma pessoa que sofre pode ser encorajada e fortalecida pela consciência de que outras pessoas, com sérios pessoais, ainda conseguem se interessar o suficiente pelos outros para prestar-lhes apoio. Isso é particularmente benéfico no caso de problemas mentais ou emocionais.

É também importante que as pessoas que almejam a cura acreditem que a pessoa que trata delas tem o poder de curá-las. quando o paciente acredita nisso, o agente de cura já tem meio caminho andado. Algumas pessoas da sociedade ocidental, podem ter dificuldades em confiar num curandeiro espiritualista que ora sobre elas e realiza uma cerimônia usando uma pena de águia. Esse condicionamento pode ser tão marcante que as impeça de acreditar na possibilidade de serem curadas por qualquer meio diferente.

Percebo também em meu próprio trabalho que frequentemente é mais eficaz abordar a pessoa com a mão sobre o ombro do que com o desafiante estilo “curto e grosso” defendido por algumas vertentes terapêuticas. Quando alguém vem a mim em busca de cura, procuro não fazê-lo também sentir-se culpado pela doença. Um dos elementos compartilhados por todos os autênticos agentes de cura é a consciência de que a função de um terapeuta é simplesmente prestar ajuda aos que procuram para serem curados – sem julgar, condenar ou sentenciar. O papel do terapeuta é, no mínimo, o de oferecer ao paciente um pouco de energia e apoio.

Penso que os terapeutas devem no futuro tornar-se bem mais conscientes da necessidade de ajudar as pessoas a transformar seus estilos de vida e seus hábitos de tal maneira que nem cheguem a adoecer. Não sou uma pessoa exageradamente impressionada pelos “milagres” tecnológicos, como os corações artificiais. Se os cientistas conseguirem divisar formas de evitar que as pessoas sofram enfartes, isto sim representará uma conquista. E o primeiro passo será indicar às pessoas como transcender seus condicionamentos negativos, como se tornar felizes e como desenvolver um sentido de satisfação com a vida”

Mitakuye Oyas’in Sun Bear !

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *